A situação já se tornou corriqueira. Quando um dono de pequeno negócio sabe que eu trabalho com marketing digital, a pergunta é a mesma:

“Como melhorar minha marca na internet?”

A minha resposta varia. Mas ela sempre começa também com uma pergunta:

“Qual valor (ou tempo) você tem para investir nisso?”

Pois é, porque diferente do que dizem por aí, não há um truque de mágica que te faça vender bem na internet. O empreendedor, na verdade, precisa de duas coisas para isso.

  • Tempo para aprender e aplicar as principais técnicas de marketing digital na web.
  • Dinheiro, para contratar quem pode realmente ajudar nisso.

Sem nenhum dos dois, fica difícil sair do lugar. Felizmente com apenas um desses elementos já dá para fazer trabalho de marketing digital consistente e colher resultados

Como ter dinheiro é, em geral, mais difícil do que ter tempo, decidi fazer esse texto.

Nele, compartilho algumas indicações do como fazer marketing digital sem precisar gastar muito. São dicas simples, práticas, mas trabalhosas e que garanto: se você as adotar, vai fazer uma diferença real na sua presença online.

Vamos começar?

Entenda o poder de uma boa imagem

Pare um momento para pensar. Lembre-se de uma marca que você admira. Lembrou? Muito provavelmente a primeira referência que veio na sua cabeça foi visual.

Você deve ter lembrado das cores dela, do logotipo e até mesmo da fonte que essa marca normalmente usa, não é isso?

Pois é. Isso acontece porque o ser humano é essencialmente visual. Na internet onde a interação é feita por tela essa característica fica ainda mais evidente.

Perfis de empresas com muito engajamento em redes sociais têm em comum o fato de que investem na linguagem visual. Seja em fotografias bem feitas, seja em imagens super trabalhadas.

Mas aí chegamos em um impasse: contratar um serviço de branding e fotografia personalizado para você, embora seja fundamental, é um investimento alto que micro e pequenos empreendedores podem se assustar.

Embora eu sempre repita que é um dinheiro que se paga e que é um esforço que deve ser feito, há formas de ter um cuidado especial com a imagem da sua marca na internet sem gastar muito.

Aqui eu indico duas:

1 – Utilize aplicativos gratuitos de design gráfico

Uma opção que vai te ajudar a melhorar a linguagem visual da sua marca, sem que você precise gastar muito, é de utilizar programas gratuitos na internet que ajuda nisso.

Basicamente são dois: Adobe Spark e Canva. Em ambos, há modelos pré-definidos de imagens com as especificações de tamanho que resolvem as principais necessidades de um pequeno empresário.

As duas soluções também contam com opções pagas. Mas, para um pequeno negócio, os planos gratuitos já são suficientes.

2 – Faça um curso de fotografia para celular

A base das atualizações de redes sociais são as fotos. Boas fotos engajam, geram percepções positivas da marca, vendem bem o seu produto e podem fidelizar o seu cliente.

Se você não tem dinheiro para contratar um fotógrafo profissional, você mesmo pode fazê-las com sucesso, basta ter boas noções de enquadramento e luz.

Para isso, a minha sugestão é investir em um curso de fotografia de celular. Há opções a partir de R$ 23 na Udemy. É barato e vai fazer uma diferença real para você.

Conteúdo é REALMENTE tudo

Se você tem um pouquinho de curiosidade sobre textos de marketing digital, já deve ter lido em algum lugar que o conteúdo é rei.

E ele é rei mesmo.

Um bom conteúdo vai aumentar a sua influência, trazer audiência para os seus perfis nas redes sociais, fazer com que você seja mais conhecido e transformá-lo em uma autoridade no seu campo de atuação.

Ao final, vai garantir o tão desejado crescimento de receita do seu negócio.

O problema é que fazer um bom conteúdo não é fácil.

É preciso conhecer bem a sua audiência, entender as principais dores, anseios e desejos dela, ter criatividade. Depois encontrar formas de planejar textos, vídeos e imagens que respondam a isso.

Mas para começar a melhorar o conteúdo da sua marca nas redes sociais, a primeira coisa que você precisa entender é quem é o seu cliente ideal.  A tal da “persona”.

O que ela faz? Quais são seus desejos? Quais são suas dores? Como você, com o seu negócio, pode ajudá-la nisso?

Essas são algumas das perguntas básicas que você precisa responder antes de planejar o conteúdo. Sendo objetivo, você precisa inicialmente aplicar esses quatro passos para melhorar o conteúdo do seu perfil.

Quatro passos para melhorar seu perfil

  1. Faça uma entrevista com seus clientes principais. Use, para isso, o mapa da empatia e a partir daí deixe um perfil do seu consumidor ideal exposto em algum lugar que você tenha muito contato. Isso, para você lembrar sempre quem é a sua audiência. É importante, ainda, entender quais canais de conteúdo (blogs, vídeos, sites de notícia) a sua audiência consome.
  2. Pesquise referências na internet da sua área de atuação e do mercado que atua. Quais são os conteúdos que eles postaram que melhor repercutiu? Quais os que pior repercutiu? Anote todos eles e se pergunte como você poderia usá-los de referência para criar algo seu.
  3. Tire um tempo para pensar na linguagem visual, linguagem de texto, nas referências que você captou e nas informações que imaginou. Crie um calendário editorial com esses insights de conteúdo que teve a partir da sua persona e comece o trabalho de criar e postar.
  4. Teste. Verifique quais conteúdos deram os melhores resultados. Procure formas de reaproveitá-los e continue testando e monitorando os resultados. Assim, você começa a entrar em um ciclo positivo de produção. Você pode fazer isso em um site, blog, perfil do Facebook ou perfil do Instagram.

Esses quatro passos são gratuitos e você pode começar a colocar em prática desde já para obter melhores resultados.

Redes sociais não são sobre vendas. São sobre relacionamento

No final de 2016, eu fui em uma palestra do Neil Patel no RD Summit em Florianópolis.

Para quem não o conhece, Patel é indiano e um dos principais profissionais de marketing digital do mundo, que já atuou para empresas milionárias.

A primeira coisa que ele fez na palestra foi olhar para uma pessoa da plateia e perguntar se ela o aceitava em casamento. Assim, na bucha. Na frente de todo mundo.

Um indiano magrinho, com cara de simpático, pedindo um completo desconhecido em casamento.

Você já deve imaginar qual foi a resposta da pessoa, né?

Pois é.

É isso que acontece quando uma marca pouco conhecida fica, insistentemente, tentando vender seus produtos nas redes sociais para pessoas que ela ainda não atingiu.

Isso sem oferecer conteúdo, sem trabalhar os valores da empresa, sem investir em relacionamento. Sem nada. Apenas tentando, de todas as formas, fazer com que as pessoas comprem dela.

É chato, para dizer o mínimo. Isso porque redes sociais têm pouco a ver com vendas. Elas têm a ver com construção de relacionamento, com proximidade, com geração de conteúdo para, só então, a venda ser feita.

É quase como se fosse um casamento mesmo. Primeiro, a pessoa conhece a sua marca. Depois, se ela gostar, inicia um namoro. Quando as coisas esquentam, o noivado é marcado e, por fim, casaram!

Então use as redes sociais para criar novos relacionamentos e fortalecer os existentes. Interaja com a sua audiência, poste conteúdos com aspecto mais pessoal da sua empresa, crie laços!

Assim, você começa a construir e fortalecer sua imagens com potenciais consumidores.

Quem não anuncia não vende

Você deve ter lido meu última parágrafo e pensado:

“Mas Fábio, eu preciso vender! Não tenho tempo para criar relacionamento nenhum. Se o dinheiro não entrar, meu negócio fecha!”

Calma, jovem padwan!

Se você quer vender, faça com inteligência. A internet oferece possibilidades de criar anúncios segmentados, direcionados para um público específico e, se forem bem feitos, podem ser baratos e trazer bastante resultado.

Mas o que é um anúncio bem feito?

É aquele que impacta a audiência ideal, com uma mensagem adequada ao seu momento. Sendo mais objetivo, são anúncios segmentados que conseguem, de forma clara, transmitir a mensagem que você quer passar.

Mas como fazer um anúncio bem feito?

Um exemplo: vamos supor que você faça o marketing da Padaria do Seu José e gostaria de aumentar a venda a domicílio de pães. Primeiro, você precisa determinar quem se interessaria nesse serviço.

No caso, pode ser esses dois públicos:

  • Clientes fiéis da padaria;
  • Pessoas que já frequentaram a padaria, não são tão fiéis ainda, e moram na região em que ela atua.

Beleza, temos o início! Outra coisa que é importante estabelecer neste caso: qual horário ela recebe mais pedidos? Vamos supor que de manhã cedo e no final da tarde.

Já temos a segunda informação guardada.

Agora precisamos de uma oferta: qual é o benefício que o cliente terá em esperar o pão em sua casa? Você pode inferir que praticidade seria um dos pontos principais. Tá certo! Anotado.

Outra questão: é habitual pessoas pedirem pão a domicílio? Possivelmente não é. Então é preciso gerar algum tipo de estímulo a mais para tornar essa prática mais comum.

Então temos as seguintes informações:

  • Público potencial: clientes fiéis da da Padaria do Seu José e clientes habituais que mora na região em que ela atua.
  • Oferta: entrega a domicílio de pães e/ou serviços de panificadora.
  • Horário: das 6h às 9h e das 15h às 19h.
  • Observação: pedir pães em casa ainda não é um hábito, precisamos cultivá-lo.

Com essas informações, você já pode criar um anúncio para redes sociais. Quer ver?

Provavelmente, clientes fiéis e/ou habituais já seguem a Padaria do Seu José nas redes sociais. Então é importante segmentar os anúncios para eles.

Depois, estabelecer os horários de veiculação para aqueles em que é possível que haja a maior parte dos pedidos.

Em seguida, modelar a oferta do anúncio. Vender praticidade e, se possível, investir em alguma promoção para começar a transformar o ato de pedir pão em domicílio um hábito.

Pronto, feito! E provavelmente esse tipo de anúncio vai dar um resultado muito bom.  E essa é só uma das milhares de variedades de anúncios online que você pode investir.

Há muito o que fazer! Plataformas como a do Facebook e a do Google investem constantemente em melhorar o alcance e a segmentação das publicidades pagas.  Há bastante coisa legal no meio, inclusive com o uso de inteligência artificial para otimizar campanhas.

Por isso, a dica é: estude o tema. Há excelentes cursos gratuitos na internet que ensinam como fazer marketing digital e ajudam na tarefa de fazer anúncios para Facebook e para Google.

Está esperando o que?

O melhor marketing do mundo é o boca a boca

Imagine a seguinte situação:

Um sujeito chega a um bairro novo e faz a seguinte pergunta para um amigo que mora há anos por lá:

“Qual é a melhor padaria da região?”

E o amigo, de pronto, responde:

“A Padaria do Seu José, que fica na esquina da rua x com a rua y”.

Onde você acha que esse sujeito vai comprar o seu pão?

Já é clichê repetir isso, mas é a mais pura verdade: a propaganda mais eficiente é aquela feita pela indicação. O famoso boca a boca tem um poder de transformar potenciais clientes em consumidores ativos e fiéis. E melhor: de forma barata.

Por isso que conseguí-la precisa ser o objetivo de todo o negócio, seja ele micro, seja ele uma grande empresa.

A partir daí você precisa guiar toda a sua atuação de marketing como forma de gerar esse tipo de indicação. Estou certo que as duas primeiras dicas aqui deste texto ajudar – e muito – nesse processo.

Mas há mais que você precisa fazer para incentivar isso.

No offline, é investigar o que faz uma pessoa indicar um negócio a outra. Entender quais as especificidades do seu mercado que influenciam isso. Pode ser o preço, pode ser a qualidade do produto, em geral é custo-benefício e o bom atendimento.

Já em suas ações digitais, é preciso ter especial atenção ao conteúdo que você vai trabalhar nas redes sociais.

É necessário priorizar ideias que gerem engajamento dos seus consumidores. Isso pode ser desde piadas bem humoradas, até ações de venda mais agressivas (algo do tipo: coxinha de graça das 8h às 9h todos os sábados).

Focar em trabalhar os valores da marca também é importante.

Se, para a Padaria do Seu José, a simpatia é um valor forte, a linguagem das redes sociais precisa ser simpática. As postagens devem fazer referência a isso, as imagens escolhidas, idem.

Promoções ajudam a elevar o boca a boca e podem ser fundamentais para marcas novas. Ações inusitadas e parcerias com influenciadores também. É preciso ser criativo, mas é um trabalho que se paga fácil, eu garanto!

Mas, atenção, não adianta nada focar nesse tipo de ação se você não fez o básico: responder com transparência os clientes nas redes sociais, principalmente àqueles que ficaram insatisfeitos com o seu serviço. Mostrar que, de fato, se importa com eles ou com a experiência deles.

Até porque, se você não fizer esse básico, a chance de clientes indicarem não comprar com você é alta e aí o seu negócio estará em perigo, entendeu?

Conclusão

Trabalhar com internet não é fácil. Envolve tempo, estudo e muita dedicação. Mas ela traz oportunidades únicas, principalmente para aqueles que têm pouco dinheiro para investir.

Entender como fazer marketing digital focado em conteúdos relevantes para a persona, seguir as dicas deste texto e fazer bons cursos para aumentar o conhecimento são alguns dos passos que você precisa dar para começar nesse processo.

O outro é manter o foco e assinar a minha newsletter (gostou aí do merchan? 😁).

Ela é enviada toda terça-feira com dicas de textos da área. O objetivo dela é ajudar pessoas como você a ficar melhor informadas sobre as mudanças do marketing digital.

Te garanto, não vai se arrepender. Assina ela aqui, vai?

Mostrar ComentáriosClose Comments

Comentários

%d blogueiros gostam disto: